Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

GreveGeral Onibus Rodoviaria TranpostePublico 103 868x644

Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília: flexibilização do isolamento social tem impulsionado o crescimento de alguns setores da economia

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgou suas estimativas para a economia. Relatório divulgado nesta 4ª feira (21.out.2020) aponta que PIB (Produto Interno Bruto) deverá recuar 4,2% neste ano, em meio aos impactos negativos da pandemia.

A previsão para o PIB industrial é de queda de 4,1%. O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, explica que a recuperação da crise está sendo rápida, mas não se pode confundir recuperação dos efeitos da crise com retomada do crescimento econômico.

A CNI estima alta de 9% do PIB no 3º trimestre, em relação aos 3 meses anteriores. O PIB industrial deve crescer 10% nessa mesma comparação. A retomada no período, porém, não será capaz de reverter a queda anual na quantidade de bens e serviços produzidos pelo Brasil.
“A redução progressiva dos estímulos fiscais do período da pandemia tornará visíveis as barreiras estruturais que o país enfrenta. Antes da crise, o país mostrava falta de competitividade, por isso, sem avanços na agenda de reformas, em especial da tributária, a economia brasileira não sairá da armadilha da renda média”, afirma Andrade.

Os números da CNI são pouco melhores do que a previsão do Boletim Focus desta semana. As instituições financeiras que compõem o relatório projetam queda de 5% neste ano. O governo federal calcula retração de 4,7% em 2020.

A CNI avalia que os próximos meses não devem trazer risco de descontrole inflacionário que possa ameaçar o alcance da meta de inflação no ano (de 4%).

O Informe Conjuntural da confederação aponta que o spread bancário e as taxas de juros do setor financeiro bancário acompanharam o movimento de queda da Selic.

A depreciação do real é 1 ponto de destaque. De janeiro a maio de 2020, o real teve a maior queda, 23,9%, frente a uma ampla gama de moedas, segundo dados de taxa de câmbio real efetiva do BIS (Bank for International Settlements).
Ao lado do real, destacaram-se com as maiores depreciações as moedas de outros emergentes: México (-18,0%), África do Sul (-17,7%) e Rússia (-10,2%).

 

Fonte: Poder360 - 21/10/2020

guia fornecedores