Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

perdas varejo 750x430

Conciliar uma boa gestão para a prevenção de perdas no varejo, pode não ser tarefa fácil. É preciso controlar, avaliar e organizar processos para evitar potenciais prejuízos ou problemas vindos de má estrutura organizacional. Dados divulgados pela Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (ABRAPPE) mostram que as perdas representam 1,99% do faturamento líquido e 1,82% do faturamento bruto dos supermercados brasileiros.

Para Claudio Felisoni de Angelo, presidente do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), mesmo na pandemia, as pessoas continuam comprando no PDV (Ponto de Vendas) e é preciso que os varejistas estejam preparados para evitar perdas e garantir resultados.

Existem inúmeras situações que podem ocasionar perdas, o que elas têm em comum é que todos esses casos comprometem o lucro do negócio, bem como o capital de giro — necessário para repor as mercadorias que foram perdidas. “Os gestores são os responsáveis em incentivar os colaboradores a acompanharem validade, armazenamento, estoque e exposição dos produtos. A tecnologia também é essencial, como, por exemplo, os softwares que otimizam e ajudam a ter um controle mais rígido desses processos”, comenta Felisoni.

A perda de estoque está entre os principais riscos no comércio. Elas são identificadas quando há diferença entre os números registrados no sistema e a quantidade real. Isso precisa ser controlado pela logística, entendendo o recebimento de mercadoria, a segurança do trabalho, gestão de pessoas e a gestão financeira.

Segundo Felisoni, para combater e eliminar potenciais perdas, reduzir desperdícios, eliminar furtos, fraudes e extravios, diminuir gastos e potencializar os lucros, é necessário se atentar a erros de processos e falhas gerencias. Dentre eles, danos relacionados à manipulação do produto, itens com prazo de validade expirado, mercadoria deteriorada, desvios e fraudes relacionadas à funcionários, entre outros aspectos.

O primeiro passo, de acordo com Felisoni, é ter uma boa equipe de funcionários para gerir os negócios e ter eficiência operacional, pois serão eles que cuidarão de toda a organização, principalmente, no gerenciamento de estoque, que precisa de atenção redobrada. “É interessante fazer uso de programas que auxiliem nessa troca para um controle mais assertivo. Considerar o investimento em uma equipe de segurança, também é fundamental para evitar maiores riscos”, conclui o presidente do IBEVAR.

 

Fonte: New Trade – 01/04/2021

guia fornecedores