Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

As vendas do comércio eletrônico brasileiro se mantiveram fortes em abril. De acordo com o Mastercard SpendingPuls, o e-commerce* brasileiro cresceu 69% no mês de abril, na comparação ano a ano.

O setor de eletrodomésticos foi o que mais cresceu no e-commerce brasileiro, com um aumento de 122% em relação ao mesmo período do ano passado. Por outro lado, as vendas dos setores de combustíveis, supermercados, móveis, produtos de uso pessoal e doméstico, e produtos farmacêuticos, apresentaram desempenho inferior.

Vendas do varejo nas lojas físicas

As vendas no varejo brasileiro, aumentaram 49% ano a ano — exceto os setores de automóveis, materiais de construção, restaurantes, e cama e banho. O setor de vestuário foi o que registrou a maior expansão, com 125% em comparação com abril de 2020.

Segundo Estanislau Bassols, gerente geral da Mastercard Brasil, esse movimento do mercado está diretamente relacionado a pandemia. “A taxa de desemprego, que ainda está em patamares elevados, somada aos desafios da Covid-19 e ao fechamento parcial de estabelecimentos impactaram as vendas no varejo. À medida que superamos o grande declínio nas vendas no varejo do ano passado, as taxas de crescimento ano a ano estão mostrando um aumento significativo: no entanto, é um efeito estatístico devido ao número de estabelecimentos que permaneceram fechados no ano passado” afirma o executivo.

Em termos de vendas totais no varejo nas regiões, o Nordeste e o Sudeste superaram o restante do país com 49,8% e 57,3%, respectivamente. As regiões Norte (43%), Sul (23,7%) e Centro Oeste (33,4%), apresentaram desempenho inferior ao crescimento das vendas nacionais.

*As vendas no comércio eletrônico são as vendas de bens e serviços em que os compradores fazem um pedido ou o preço e as condições da venda são negociados pela Internet, em um dispositivo móvel (M-commerce), extranet, rede EDI (Electronic Data Interchange), correio eletrônico ou outro sistema online comparável. O pagamento pode ou não ser feito online.

 

Fonte: New Trade – 01/06/2021

guia fornecedores