Congresso europeu de cardiologistas confirma que a cerveja possui ação protetora para o coração

 

Estudos médicos já provaram várias vezes: um consumo moderado de cerveja pode ser uma boa contribuição para a proteção contra um infarto do coração. Esta conhecida ação positiva foi confirmada de maneira impressionante durante Congresso Europeu de Cardiologistas, que aconteceu de 28 de agosto a 1 de setembro 2004 em Munique.


Foi apresentado um estudo canadense (Estudo Interheart), comprovando que a maioria dos infartos do coração pode ser prevista, baseado em nove fatores de risco que podem ser facilmente medidos. Esses fatores são válidos mundialmente e para todos os grupos étnicos. As oito características nocivas foram: consumo de cigarro, elevados valores para gordura no sangue, pressão alta, diabetes, obesidade, stress, sedentarismo e alimentação inadequada. A nona característica, ao contrário, foi de natureza positiva: um consumo regular e moderado de álcool foi atestado pelos pesquisadores como sendo uma ação protetora contra infartos. De acordo com o resultado do estudo, a partir da combinação desses nove fatores, podia-se prever mais de 90% da possibilidade de sofrer um infarto.


Com isso o estudo reforça mais uma vez de modo claro: quem consome cerveja moderadamente, pode reduzir e influenciar positivamente o risco pessoal de sofrer um infarto, desde que efetue um trabalho conjunto com o combate direcionado e evitando os demais fatores.

"Bebam diariamente um copo de cerveja e vivam por mais tempo" – com essas palavras o médico de Graz, Prof. Dr. Manfred Walzl, resume os numerosos efeitos benéficos do consumo moderado de cerveja. E essa afirmação é provada mais uma vez pelo Congresso Europeu de Cardiologistas. Mas essa recomendação vale realmente apenas para um consumo moderado. E esse consumo fica em torno de 1 litro por dia para os homens e 0,5 litros por dia para as mulheres.

 

Fonte: DBB

Traduzido e Adaptado por Matthias R. Reinold