Cerveja 'transgênica' pode ter mesmas vantagens do vinho para a saúde

Levedura que produz bebida foi modificada para produzir resveratrol. Substância do vinho tinto parece ter efeito protetor sobre o coração.

Os bebedores de vinho até agora podiam se gabar de que a sua bebida poderia ajudar na prevenção de doenças cardiovasculares. Esse efeito faz parte do chamado paradoxo francês: afinal, se a dieta francesa é rica em manteiga, queijos e cremes, como explicar o número reduzido de eventos cardiovasculares agudos naquela população?

Alguns cientistas creditam ao resveratrol, substância naturalmente encontrada no vinho tinto e no suco de uvas escuras, propriedades favoráveis à saúde. O resveratrol parece atuar como mediador de reações inflamatórias, podendo prevenir não só as doenças do coração como também o câncer.

A novidade veio da Universidade Rice, de Houston, no Texas. Um grupo de alunos anunciou que está desenvolvendo uma cerveja contendo o resveratrol. O segredo estaria em uma cepa geneticamente modificada de levedura cervejeira, capaz de produzir álcool e também a substância protetora.

O projeto foi criado para participar de um concurso nacional de engenharia genética. Os grupos de estudantes devem criar novos organismos vivos ou modificar estruturas já existentes a partir de um grupo de genes fornecido pela organização do concurso. A fermentação da primeira partida da cerveja “vitaminada” ainda não foi testada, mas já promete acabar com a primazia do vinho como possível bebida alcoólica protetora do coração.

Fonte: Especial para o G1, por Luis Fernando Correia (médico e apresentador do "Saúde em Foco", da CBN) – 22/10/2008