A cerveja sem álcool é uma excelente bebida para a recuperação de maratonistas, diz estudo

Um novo estudo relata que a cerveja é uma bebida excelente para a recuperação dos corredores de maratona. Mas você não deve começar a comemorar já. A cerveja foi eficaz apenas se fosse não-alcoólica, reportou o The New York Times.

Correr uma maratona é, claro, um esforço para o corpo, causando dores musculares e inflamação. O exercício extenuante pode também enfraquecer o sistema imunológico, fazendo com que os atletas fiquem suscetíveis a gripes e outros males nas semanas após o evento. Alguns atletas, particularmente na Europa, há muito vinham consumindo cerveja sem álcool durante o treinamento duro, alegando que os ajudou a se recuperar, mas não havia prova científica para apoiar a prática.

Para estudar a questão, pesquisadores da Universidade Técnica de Munique se aproximaram de corredores saudáveis do sexo masculino, a maioria na faixa dos 40 anos, que estavam treinando para a Maratona de Munique, e perguntou se eles iriam - em nome da ciência - estar dispostos a beber uma quantidade considerável de cerveja. Duzentos e setenta e sete homens concordaram, mesmo quando se disse que a bebida seria não-alcoólica.

Apenas metade do grupo recebeu a cerveja sem álcool, no entanto, a outra metade recebeu um placebo aromático semelhante. Ninguém sabia quem estava bebendo o quê.

Todos os corredores beberam um litro a um litro e meio de sua bebida atribuída a cada dia, começando três semanas antes da corrida e continuando por duas semanas após. Os cientistas, entrementes, coletaram amostras de sangue dos homens há várias semanas antes da corrida, bem como imediatamente antes do início, na linha de chegada e em dias selecionados depois. Eles monitoraram os níveis de vários marcadores de inflamação no sangue dos homens, para ver se a cerveja ajudou a atenuar alguns dos danos imediatos da corrida.

Para as próximas duas semanas, os homens continuaram a ingerir a sua cerveja sem álcool ou outras cervejas. Eles também relataram sintomas de resfriados ou outras doenças respiratórias das vias superiores que se desenvolveram durante esse tempo.

Os homens que ingeriram a cerveja sem álcool relataram muito menos doenças do que os corredores que ingeriram a bebida placebo. "A incidência de infecções do trato respiratório foi 3,25 vezes menor" nos bebedores de cerveja não alcoólica, relataram os cientistas na revista Medicine & Science in Sports & Exercise. Eles também mostraram muito menos evidências de inflamação, como medido por vários marcadores no sangue, e diminuição da contagem de células brancas do sangue do que o grupo placebo, uma indicação da melhor saúde geral do sistema imunológico.

Estes efeitos têm importância, disse o Dr. Johannes Scherr, autor principal do estudo, porque se o corpo de um maratonista apresenta-se menos dolorido e inflamado depois de uma corrida, e ele não se desenvolve a congestão nasal, e pode se recuperar e voltar ao treinamento mais rapidamente do que ele de outra forma poderia ter sido capaz de fazer. "Pode-se especular que a freqüência de treinamento poderia ser maior (com intervalos mais curtos após as sessões de treinamento vigoroso)" daqueles que bebem cerveja, escreveu ele em uma resposta por e-mail.

Apenas como a cerveja sem álcool alivia os sintomas do treinamento extenuante para maratona e corridas ainda está sendo investigada. Mas, disse o Dr. Scherr, que quase certamente envolve o rico portifólio de polifenóis da bebida, substâncias químicas encontradas em muitas plantas que, entre outras coisas, "suprimem a replicação viral" e "influem o sistema imune inato positivamente", todos benéficos para lutar contra um resfriado.

Cerveja alcoólica também está repleta de polifenóis - "até mais do que cerveja sem álcool," disse o Dr. Scherr - mas tem a desvantagem de ser alcoólica. "Nós não sabemos se os efeitos colaterais de cerveja alcoólica poderiam anular os efeitos positivos causados ​​pelos polifenóis", escreveu ele. "Além disso, não é possível beber um a um litro e meio de cerveja alcoólica por dia, especialmente durante o treinamento extenuante."

É claro, que outras substâncias contendo polifenóis têm se mostrado promissoras no início, e depois apresentaram um desempenho inferior em estudos posteriores. Quercetina, por exemplo, um polifenol derivado principalmente a partir de cascas de maçã, foi amplamente elogiado por atletas de resistência há vários anos atrás, depois que estudos descobriram que doses grandes permitiram que ratos de laboratório não treinados pudessem correr por muito mais tempo do que os animais não tratados.

Mas o suplemento falhou enormemente em demonstrar benefícios em atletas humanos. Uma análise de 10 estudos humanos do suplemento apresentada na reunião anual do American College of Sports Medicine em junho concluíram que a suplementação por quercetina "é muito improvável que forneça uma vantagem de desempenho de resistência”.

Mas a experiência com a cerveja não começou pela observação de ratos. Começou com maratonistas humanos completando uma corrida extenuante, não simulada, e mostrou benefícios demonstráveis​​, em termos de minimizar os danos pós-corrida.

Tudo são boas notícias para a estação de maratonas de outono que se aproxima. Quando foi perguntado a ele se recomendaria que maratonistas sérios adicionassem cerveja sem álcool às suas dietas, Dr. Scherr disse: "Quando eu olho para os resultados do nosso estudo, eu teria que responder 'Sim'."

É possível obter grandes quantidades de polifenóis de outros alimentos, ele acrescentou, como aronia (chokeberry) e mangostões, bem como romãs e uvas. "Mas com esses alimentos você não consome os minerais, líquidos e carboidratos", disse ele, "deste modo a cerveja sem álcool parece ser o ideal" para tudo, talvez, à parte de sua bem merecida comemoração após a corrida. Para que, pelo menos, a cerveja pode ser potência integral.

Fonte: Belgian Shop | 1450 – 08/09/2011
Traduzido e Adaptado por Matthias R. Reinold