Cresce no DF número de lojas de insumos para quem quer fazer cerveja

Era uma vez um alemão. Um alemão que decidiu morar no Brasil porque se apaixonou pela brasileira mais alemã de Brasília. Ele veio, casou e ficou. Ele se adaptou ao nosso cerrado, adorou os restaurantes que serviam frango assado e estava feliz da vida com a esposa candanga.

Só havia um problema: a cerveja. Aprender português foi peixe pequeno perto da tortura de encarar uma Skol. O desespero foi tanto que Andreas Nagl decidiu fazer a própria cerveja. E já que precisaria importar os ingredientes, ele e a esposa (foto abaixo), Heide Seidler, inauguraram uma loja de insumos.

A Candango Bräu foi a primeira “brew shop” de Brasília e abriu caminho para outras três empresas que hoje suprem a demanda dos cervejeiros caseiros. Entre as novidades, está a franquia mineira Casa O.L.E.C, inaugurada no comecinho deste ano com uma proposta diferente.

Giovanna Bembom/Metrópoles

Candango Bräu
Quando a Candango Bräu abriu as portas em 2010, a demanda por maltes, lúpulos e leveduras era tão pequena que o funcionamento da loja limitava-se a dois dias por semana. Naquela época, a variedade de malte não passava de uma dezena e mesmo assim, os cervejeiros estavam no céu.

Para quem não tinha nada, o pouco já era muito. Como dava para contar nos dedos o número de clientes, a relação da Candango Bräu com os produtores sempre foi de amizade. Quando alguém precisava de alguma coisa e a loja estava fechada, era só ligar para o celular do Andreas que ele ia correndo. Nós, do Ohmybeer, cansamos de fazer isso e sair felizes da vida para a brassagem do fim de semana.

Aulas práticas
Além de vender os insumos, Andreas começou a ensinar a arte de produzir cerveja. “O curso nunca foi de assistir e sim de fazer. O aluno escolhe um estilo e faz a sua cerveja, cada um com a sua panela. No fim, as garrafas são compartilhadas”, explica.

Fato é que esses cursos ajudaram a formar uma legião de cervejeiros caseiros. Cerca de 1.200 pessoas já passaram pelas panelas da Candango Bräu. Cervejarias como a Corina, por exemplo, deram seus primeiros passos com a ajuda do alemão.

"Fazer cerveja não é difícil, só é trabalhoso. Quem faz o curso e não vira cervejeiro acaba valorizando e entendendo a cerveja artesanal " Heide Seidler

Variedade no estoque
Essa turma de novos produtores fez a demanda por insumos crescer e o mercado precisou se adaptar. Hoje, a Candango Bräu trabalha com aproximadamente 30 tipos de malte, 55 variedades de lúpulo e 30 cepas de fermento.

O bacana é que alguns ingredientes podem ser fracionados de acordo com a receita da cerveja, a pedido do cervejeiro. Além dos elementos básicos, todos os equipamentos para a produção em casa estão à venda na loja.

Panelas, termômetro, abraçadeiras, medidores, arrolhadores, tampinhas e moedores fazem parte da longa lista. Sem dúvida nenhuma, MacGyver seria capaz de produzir uma bomba nuclear com essa quantidade de peças.

Giovanna Bembom/Metrópoles
Ciro Lemos e Kirk Douglas, da Casa O.L.E.C.

Giovanna Bembom/Metrópoles
Balcão simpático na entrada e freezer cheio de cervejas artesanais

Giovbanna Bembom/Metrópoles
Peças dispostas em prateleiras de um jeito fácil e organizado

Casa O.L.E.C
Oficina Laboratório de Experimentação Cervejeira. Esse é o significado da sigla que chegou a Brasília com proposta diferente e que tem dado uma mexida no mercado. A Casa O.L.E.C é, na verdade, uma empresa de Belo Horizonte criada em 2013 e com franquias em Juiz de Fora, Petrópolis e, agora, na capital federal.

Aqui, a brew shop é comandada por Ciro Lemos, Cláudia Lemos e Kirk Douglas. Desde a fachada até a disposição dos produtos, tudo faz o cervejeiro querer entrar na loja e se deliciar. As peças estão dispostas em prateleiras de um jeito fácil e organizado.  Equipamentos como panelas, balanças, dosadores, moedores e fermentadores também ficam expostos e até ajudam a enfeitar o lugar.

Nos fundos, o tesouro é guardado com carinho. As estantes acomodam 31 tipos de malte em embalagens que vão de 250 g a 25 kg. Já os freezers guardam 90 variedades de lúpulo e 26 de leveduras. Ou seja: tem material mais que suficiente para o mais criativo dos cervejeiros.

Ponto de encontro
Ora, se a casa vende insumos para a produção de cerveja e recebe clientes apaixonados pela bebida, por que não fazer do espaço um ponto de encontro? O balcão simpático perto da entrada e o freezer cheio de cervejas artesanais ganharam uma placa com as três letras que tanto amamos: bar!

O pessoal vem no fim do dia e já toma uma cervejinha. Tem muita gente dessa região do Setor de Indústrias Gráficas que entra curioso sem saber do que se trata. Ainda existem pessoas que não sabem da possibilidade e facilidade de se fazer cerveja em casa" Kirk Douglas

A casa também oferece cursos para a produção caseira e ainda organiza encontros de produtores. Uma vez por mês, os paneleiros se reúnem na O.L.E.C para trocar informações, compartilhar receitas, mostrar suas criações e dar muita risada.

Ah, é bom deixar claro: Qualquer pessoa pode fazer cerveja em qualquer lugar. No quintal, varanda, cozinha de casa, apartamento, basta ter os equipamentos adaptados ao tamanho da produção.

Vai encarar?

Confira o roteiro de lojas de insumos cervejeiros no DF.

Candango Bräu
CA 2, Lote 14, Lago Norte. Segunda a quarta, das 12h30 às 18h; quinta e sexta, das 12h30 às 20h; sábado, das 9h às 14h.

Casa O.L.E.C.
SIG, Quadra 2, Bloco B, Lote 25, Loja 23, 3542-8652. Segunda a sexta, das 10h30 às 19h; sábado das 9h às 15h.

Point do Cervejeiro
CLSW 104, Bloco B, Loja 64, subsolo, Sudoeste. Segunda a sexta, das 12h30 às 19h; sábado das 8h às 17h. Tem delivery.

Fábrika de Cervejas
Rua das Paineiras, Lote 6, Loja 27, Shopping One, Águas Claras. Segunda, das 14h às 18h; terça a sexta, das 14h às 22h; sábado das 9h às 18h.

 

Fonte: Metrópoles – 23/02/2017