Colecionismo Cervejeiro - a paixão de Walter Enio Steinhaus

O ato de colecionar já vem desde a Roma antiga e o Egito. O faraó Tutancâmon já mantinha uma coleção de cerâmicas finas. A nobreza na Idade Média reunia em seus castelos o seu acervo de armas, armaduras, tapetes e outros objetos coletados em viagens ou mesmo pilhagens.

O historiador alemão Philipp Blom descreve em seu livro To Have And To Hold (“Ter e Manter”) uma legião de colecionadores e seus tesouros de tempos medievais até o presente, desde um gabinete contendo chifres de unicórnio, passando pelo lendário castelo de William Randolph Hearst e a arte macabra do embalsamador Dr. Frederick Ruysch, até colecionadores que estocam invólucros de comida e copos de plástico.

Atualmente as coleções são as mais variadas: desde as clássicas coleções de selos, moedas, livros, brinquedos, papéis de carta, modelos em miniatura (de navios, aviões, carros); até as de objetos mais triviais como embalagens de papel/papelão, embalagens plásticas ou mesmo de tampinhas e rolhas de garrafas.

As coleções mais especializadas, como por exemplo, aquelas voltadas para a área de bebidas, englobam garrafas, latas, rolhas, rótulos, descanso de copos, copos, barris, entre outros itens.

Entre esses colecionadores destaca-se Walter Enio Steinhaus, morador de Santa Cruz do Sul – RS, que iniciou a sua coleção há mais de 20 anos.

Confira abaixo na entrevista exclusiva concedida ao Portal Cervesia® em fevereiro de 2017:

Cervesia: Conte-nos um pouco de sua história.

Resultado de uma brassagem com os amigos

Walter: “Sou Walter Enio Steinhaus, 58 anos, brasileiro, casado e tenho duas filhas (Maria Augusta e Natália), resido atualmente em Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. Minha atividade profissional foi baseada na área comercial (vendas) em uma empresa de embutidos, exercendo a gestão de vendas para 

determinadas áreas do Rio Grande do Sul e todo estado de Santa Catarina até me aposentar.

Sou uma pessoa de fazer amigos facilmente, extrovertido, sempre ligado ao dia a dia. Pelo meu hobby do colecionismo cervejeiro, tenho as redes sociais e todos os outros canais de comunicação ao meu lado e alcance. Consigo me comunicar com o mundo cervejeiro também em inglês e espanhol (claro, não fluentemente, mas o suficiente para meus contatos). 

Nas horas vagas ainda sobra um tempinho para fazer algumas brassagens junto com outros três amigos, para o nosso consumo mesmo, com o sistema chamado de “paneleiro” (cervejeiro caseiro), sem marca e rotulagem. Fizemos algumas cervejas do tipo Irish Red, Pale Ale, Weiss, Stout e IPA”.

Resultado de uma brassagem com os amigos

Cervesia: O que o levou a começar a coleção?

Walter: “Meus compadres Claudio e Celita fizeram uma viagem à Cancún e no retorno me trouxeram uma lata da Dos Equis (cerveja mexicana), que achei bonita. Degustei a cerveja e depois guardei a lata. 

No mesmo final de ano, época de Natal, fui convidado para a ceia de Natal na casa dos amigos Luiz Fernando e Haydee Zanini, onde ganhei um estojo contendo um conjunto de 3 latas de Budweiser e 2 latas de Heineken de presente. Fiz a mesma coisa, achei bonita, degustei e depois guardei as latas. Foi aí que tudo começou”.

“No período de verão, faltava muita cerveja e a que tinha era vendida com preço inflacionado. Aí veio o boom das cervejas importadas para suprir esta demanda. Então ficou fácil, era ir nos pontos de vendas, ver o que não tinha e comprar. Isso foi em 1993” relata Walter. 

Walter e parte de sua coleção de garrafas de cerveja

Cervesia: De que se constitui a coleção? Qual o número de peças?

Walter: “A minha coleção é composta com dados atualizados nesta data. No total são 12.643 exemplares, divididos como exposto a seguir:

- Latas: 2.674 exemplares

- Garrafas de vidro: 846 exemplares

- Garrafas PET: 2 exemplares

- Garrafas de alumínio: 25 exemplares

- Barris: 18 exemplares

- Growler's: 04 exemplares

- Rótulos: 9.074 exemplares

Toda a coleção encontra-se exposta em prateleiras com vidro, uma pequena parte em cima de um balcão expositor e os rótulos em álbuns e/ou pastas separados por países”.

“Também guardo reportagens sobre minha coleção que saiu nos Jornais Gazeta do Sul e Riovale, jornal aqui da cidade. Bem como o vídeo com uma reportagem veiculada no programa Notícias UNISC-TV, inserido 2 vezes ao dia, durante uma semana, neste canal de televisão” explica Walter.

Coleção de rótulos de diversas cervejarias

 

Cervesia: Como organiza as peças?

Walter: “A organização se dá como descrito anteriormente. Porém, como demanda grandes espaços pelo tamanho da coleção, com tendência a aumentar dia após dia, preciso fazer sempre adaptações.

Mas isso faz com que você esteja sempre por dentro de tudo da sua coleção, sem esquecer nada, detalhes, particularidades etc”. E detalha: “Por duas vezes a cada ano, retiro tudo das prateleiras, passo uma escova e tiro o pó, limpo os vidros (esta parte de vidros é feita com a ajuda de minha esposa Juraci). E depois, recoloco tudo nos lugares novamente”.

Cervesia: Possui alguma peça que se destaque das demais? Porque?

Walter: “Para o colecionador, todos os exemplares que tem na coleção, tem e merecem um destaque em especial e isso se dá por vários motivos ou situações. Veja pela minha coleção:

- Os exemplares que deram origem à coleção;

- Os exemplares que ganho em eventos, concursos ou leilões;

- Os exemplares encontrados em lugares peculiares. Ex.: lixo, à beira de estradas, guardados em sótãos ou embaixo de casas;

- Os exemplares doados pelos mais diversos amigos e até pessoas que ainda não conhecia e, se tornaram amigos e admiradores e/ou colaboradores habituais de minha coleção; 

 E complementa: teria muitos outros motivos ou situações, mas, como disse, tudo merece destaque”.

Cervesia: Costuma efetuar permutas, compras e vendas com frequência?

Walter: “É fascinante, porque além daquela paixão que o colecionador coloca no seu hobby, o envolvimento com contatos dos mais diversos países e das mais diversas formas me traz resultados esplendidos na aquisição de exemplares para minha coleção.

São trocas de correspondências, envio e recebimento de sedex com exemplares, informações pelas redes sociais, jornais, televisão etc.

“O Facebook, por exemplo, faz com que eu tenha contato com mais de 1.000 cervejarias, mais de 100 

colecionadores e, vários grupos de colecionadores de artigos cervejeiros. Alguns são de países como:

Alemanha, Suécia, Itália, Espanha, Rússia, Portugal, Ucrânia, Belarus, China, Japão, Nigéria, Polônia, Uruguai, Austrália, Nova Zelândia, Lituânia, Argentina, Estados Unidos, Chile, República Tcheca, Inglaterra, Canadá etc... Vou parar por aí, tem muita gente e, iria esquecer muitos amigos de vários outros países”.

E acrescenta: “Aqui no Brasil tenho recebido também muitos exemplares, mas ainda é restrito, faltam muitas cervejarias que poderiam estar expostas em minha coleção, talvez com a visibilidade da matéria junto da CERVESIA, isto possa a melhorar a participação nacional em minha coleção”. 

 

← Coleção de garrafas (Growler´s) de diversas cervejarias

 

Cervesia: Costuma participar de feiras e eventos do setor? Poderia citar algumas/alguns?

Walter: “É difícil, pois minha posição geográfica, no estado do Rio Grande do Sul, em relação aos grandes eventos do setor cervejeiro, faz com que fique inviável a minha participação (deslocamento, custos, tempo, etc). Aqui por perto participo de algumas feiras e eventos:

- Festival da Cerveja Gaúcha

- Cervale Rio Pardo

- AGAS (não é própria do segmento, mas sempre tem muitas novidades expostas também)

- Programas de visitação a micro cervejarias”

 

 

 

A visita a feiras e eventos permite ampliar a base
 de contatos com colecionadores e cervejarias

Visitas a microcervejarias ajudam a ampliar 
    os conhecimentos e
 fazer novos contatos

Cervesia: Gostaria de compartilhar conosco mais alguma informação interessante?

Walter: “Acho que as perguntas acima já mostram um pouco de toda minha paixão no colecionismo de cervejas, como tudo começou, como identifico e valorizo a coleção, intercâmbios etc...

Mas, posso dizer que se alguém estiver interessado em conhecer pessoalmente, podemos convidar para uma visita. E se alguém tiver algum(ns) item(ns) que queira colaborar com a minha coleção na forma de doação ou até mesmo uma troca (colecionadores), estou à disposição.

Tudo pode ser visto e/ou combinado em mensagem no meu Facebook ou mesmo por e-mail”.

 

Serviço:

Contato: Walter Enio Steinhaus

E-mail: wecasadepedra58@gmail.com