Maior colecionador de latas de cerveja da América do Sul aposta no título do Brasil e quer guardar rótulos especiais do mundial

O esporte – especialmente o futebol – ganha cores e emoções diferentes quando "embalado" em uma lata para bebidas. São imagens que chamam a atenção nas gôndolas dos supermercados e nas mãos dos torcedores. A criatividade e o colorido dos rótulos estimulam colecionadores, que guardam em suas coleções momentos emocionantes de cada edição da Copa do Mundo de futebol. Coincidência ou não, foi justamente no ano do frustrante mundial realizado no Brasil, em 1950, que começava o acervo do maior colecionador de latas para bebidas da América Latina. Viajando pela China, Saul Jampolsky comprou a primeira lata de sua coleção. O que chamou sua atenção foi uma cerveja com rótulo vermelho e desenho de um dragão dourado. Até então, não havia no Brasil latas importadas.

Sessenta e quatro anos depois, o Brasil sedia pela segunda vez uma Copa do Mundo de futebol. E de lá para cá a coleção de Saul aumentou consideravelmente. Atualmente conta com 35 mil latas, sendo cerca de 150 delas com temas relacionados ao esporte. A mais antiga sobre Copa é do mundial do México de 1970. O curioso foi que as latas foram compradas numa viagem à Alemanha e justamente a seleção alemã não autorizou o uso da imagem de seu time nas latas. Mas há ainda embalagens da Copa da Espanha (1982), dos Estados Unidos (1994), da Copa América da Bolívia (1997), da França (1998), Copa América do Paraguai (1999), entre outras.

Natural de Santos (SP) e torcedor do alvinegro praiano, Saul aponta, claro, o Brasil como favorito. Mas sabe que há fortes concorrentes ao título: Argentina, Itália e Alemanha. E o torcedor/colecionador já está de olho nas latas especiais para esta Copa. "Já saíram as latas especiais de alguns refrigerantes, mas infelizmente ainda não tem das cervejas. Mas quando sair comprarei", prometeu.

No dia 12 de junho a seleção brasileira estreia contra a Croácia em São Paulo. Apesar de costumar assistir aos jogos do Santos no Pacaembu, Saul já adiantou que desta vez não irá assistir nenhum jogo do mundial nos estádios. "Prefiro assistir em casa com a família e amigos", revelou. E para quem tem alguma dúvida Saul deixa claro o que vai beber durante os jogos, "uma loira bem gelada".

Fonte: Notícias da Abra Lata nº 48 – 13/06/2014