Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

Dona de um dos programas de uso eficiente de água mais reconhecidos do mercado, a AmBev economizou, nos últimos três anos, 4,83 milhões de metros cúbicos do insumo, suficientes para abastecer durante um mês uma cidade de 920 mil habitantes, do porte de Maceió.

"A eco eficiência vem de uma política ambiental, do nosso compromisso de buscar tecnologias e insumos com a melhor eficiência, produzindo mais com menos matéria-prima e gerando resultado ambiental", explica a gerente corporativa de meio ambiente, Beatriz Oliveira.

Matéria-prima para a produção de bebidas, a água é consumida pelas 32 unidades produtivas da AmBev de duas formas distintas: a que vai para produtos tem qualidade nobre e, por razões óbvias, não passa por processos de redução de consumo ou reuso; a que é usada para serviços e utilizada em limpezas gerais é onde se aplicam os processos de gestão eficiente.

Na lavagem de equipamentos, tanques e garrafas a empresa também utiliza água nobre. Toda a água consumida nesses processos é reaproveitada para lavar, por exemplo, engradados. Outra medida de reuso está no processo de pasteurização, no qual a mesma água usada para elevar a temperatura da cerveja serve para resfriá-la, num circuito fechado que reduz a necessidade de captação.

A captação, por sinal, é feita de forma distinta entre as unidades, podendo ser obtida de leitos de rios, por meio de poços artesianos ou diretamente na rede de distribuição.

Considerando todo o processo de produção, de cada litro produzido de cerveja, em 2006, a empresa demandou 4,3 litros de água. Em 2001, essa relação era de 5,6 litros de água por litro de cerveja. Segundo a empresa, a referência mundial do setor é de 3,7 litros e algumas unidades, como a instalada em Brasília e Curitiba, já superam essa marca.

"Em outubro, Brasília teve um desempenho de 2,85 litros de água para cada litro de cerveja, uma performance excelente", comemora Beatriz. Ela ressalva que o patamar de 3,75 litros de água para cada litro de cerveja é uma referência que não pode ser aplicada em todas as unidades porque cada região onde se fabrica a bebida conta com realidades distintas de tipos de produtos e de uso de tecnologia.

Segundo Beatriz, em 2006, a gestão do consumo de recursos hídricos gerou para a Ambev uma economia de R$ 1,88 milhão, queda de 6,5% nos custos em relação ao ano anterior. "Nossos números já são muito bons, vamos ter um desempenho melhor em 2007, mas temos também um programa de metas de melhoria contínua", comenta a executiva. Ela revela que este é um dos itens considerados para avaliação de desempenho dos funcionários para o pagamento de remuneração variável, como participação nos lucros.

Para obter uma forma ótima de produção, a executiva afirma que são considerados "três pilares" de uso eficiente da água. O primeiro deles implica o uso de instalações com processos alternativos, no qual se define para quais fins deve ser utilizada a água nobre e em quais fins a de reuso.

O segundo pilar é a definição da padronização operacional, informando não apenas o que "deve" ser feito, mas a "forma" como ser executado o processo de fabricação da bebida. "É o caso, por exemplo, do engarrafamento, que explicamos como a operação da máquina deve ser feita para a água ser utilizada de forma racional", explica.

Por fim, a empresa promove um programa intensivo de treinamento e conscientização dos funcionários. "Nenhuma fábrica funciona bem se o trabalhador não tiver a orientação da política ambiental. É preciso que todos entendam que a preservação do meio ambiente é um valor importante para a empresa", salienta.

Foram criadas nas unidades "brigadas da água", nas quais os funcionários têm a função de disseminar o conhecimento para que o desperdício seja evitado e um "xerife" se responsabiliza em supervisionar o consumo de água.

Simultaneamente a essas iniciativas, a Ambev promove investimentos em gestão ambiental. Nos últimos seis anos, foram aplicados mais de R$ 324,8 milhões nessa política, na qual a água é um dos componentes - o investimento específico em gestão de água não é discriminado. Somente em 2006, as receitas destinadas a projetos e despesas de controle ambiental alcançaram R$ 64,9 milhões.

Antes de devolver os efluentes aos rios ou redes de coleta de esgoto, o líquido passa por estações de tratamento. Juntas, as 32 fábricas têm capacidade para tratar 200 mil metros cúbicos de efluentes por dia, o equivalente à estação de tratamento de um local com 4,5 milhões de habitantes, o equivalente à população do Estado de Goiás.

Fonte: Valor Econômico – 03/12/2007

guia fornecedores