Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

Bradesco e Brahma completam top 3 do ranking Brandz Brasil, feito pela Kantar Millward Brown. Google aparece como empresa com maior força na mente dos consumidores

A Skol é a marca mais valiosa do Brasil. É o quinto ano consecutivo que a empresa se mantém no posto do ranking anual BrandZ Brasil, realizado pela WPP, Kantar, Kantar Vermeer e Kantar Millward Brown. O valor de mercado é de US$ 8,1 bilhões. Em segundo lugar vem o Bradesco, que subiu duas posições em relação ao ano passado, com um valor de US$ 4,4 bilhões e um crescimento de 131%. Para completar o Top 3 está Brahma com um valor de US$ 4,3 bilhões e um crescimento de 34%. As marcas mais valiosas do Brasil somam US$ 53,10 bilhões, um valor 70% maior que o número registrado em 2016.

Pela primeira vez o ranking incluiu na análise as marcas de capital fechado. A decisão se deu principalmente ao fato de que existem marcas com este formato bastante valiosas, como por exemplo, IKEA e Ferrero, que não poderiam ser avaliadas. Devido à mudança, 15 novas marcas passaram a fazer parte do ranking top 60, sendo duas delas no Top 10. Globo com um valor de US$ 4,1 bilhões e Ypê com um valor de US$ 1,1 bilhão.

A Renner foi a marca que teve o maior crescimento no Brasil com uma variação de +168% (posição 17, com US$ 684 milhões). Em segundo lugar está Adria +159% (posição 49, com US$ 211 milhões), seguida pela Anhanguera +138% (34º lugar, com US$ 333 milhões), Itaú +133% (4º lugar, com US$ 4,3 bilhões), Bradesco +131% (2º lugar, US$ 4,4 bilhões), Droga Raia +125% (23º lugar, US$ 491 milhões), Friboi +122% (posição 50, com US$ 208 milhões), Drogasil +122% (20º lugar, com US$ 624 milhões), Arezzo +116% (posição 59, com US$ 163 milhões) e Fleury +112% (posição 51, com US$206 milhões).

Setores em alta
O setor de bens de consumo e serviços financeiros foram os setores mais fortes do BrandZ Brasil. A soma do valor das marcas nessa categoria foi de US$ 24 bilhões em 2017 - alta de +40% comparado a 2016 -, o que equivale a quase 50% do total das marcas mais valiosas do Brasil. Os destaques ficam por conta das marcas de cerveja como Skol e Brahma. Esta é mais uma prova que empresas com marcas fortes podem mais rapidamente sair da crise que o mercado, sendo um ativo bastante relevante da empresa.

Em segundo lugar em importância está o setor financeiro, com US$ 10,9 bilhões - alta de 132% em relação ao ano passado -, que equivale a 21% do ranking. Lideram a lista Bradesco, Itaú, Cielo e Caixa. O terceiro setor em termos de desempenho foi o Varejo com um valor de US$ 5,2 bilhões - um crescimento de 105% comparado a 2016 -  determinado principalmente pelo êxito de marcas como Lojas Americanas, Renner, Netshoes, Drogasil e Droga Raia.

As marcas mais fortes do Brasil
Paralelamente à análise das marcas mais valiosas do Brasil, também foram analisadas as mais fortes com base no fator Brand Strength - fator obtido com base na análise BrandZ em relação a três fatores: Contribuição de Marca (influência da marca no processo de decisão de compra), Premium (a predisposição dos consumidores a pagar mais pelas marcas) e Poder (a predisposição do consumidor a comprar mais).

Segundo esta análise, o Google se posicionou - pelo segundo ano consecutivo - em primeiro lugar com 100 pontos no Brand Strength Index, e o Facebook em segundo (98.4). A marca de consumo Omo (93.9) avançou uma posição tomando o terceiro lugar de Trident (85.3) que agora ocupa o quarto lugar. Outras marcas como Coca Cola (77.0), Colgate (62.7), Oral-B (58.0) e Nescafé (56.7) permanecem na mesma posição no ranking e novas marcas entraram no top 20: Heineken (44.5), Dorflex (38.2) e Nike (35.6).

O ranking combina dados financeiros da Bloomberg e da Kantar Millward Brown com opiniões de consumidores obtidas em mil entrevistas com mais de 54 mil consumidores latino-americanos em 34 categorias. Os critérios de seleção de marcas a serem incluídas foram a propriedade de uma empresa de capital aberto e reportar ganhos positivos, além de ser caracterizada como uma marca brasileira local (originária do Brasil ou que uma proporção relevante de sua empresa esteja localizada na região).

Fonte: Mundo do Marketing – 22/05/2017

guia fornecedores