Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

As gigantes do mercado de cervejas Anheuser-Busch (detentora da marca Budweiser) e InBev (fusão da belga Interbrew com a brasileira AmBev) anunciaram nesta sexta-feira (01.12) um acordo que dá à americana exclusividade de importação, distribuição e venda das marcas premium como Stella Artois e Beck's (produzidas pela européia) nos EUA.

O acordo passará a ter efeito a partir de 1º de fevereiro de 2007, informaram as empresas em comunicado. A Brahma e as marcas canadenses da empresa, como Labatt Blue e Labatt Blue Light (distribuídas pela InBev nos EUA), no entanto, não estão no acordo. Além das duas marcas citadas, a cervejaria americana irá vender outras, como Bass Pale Ale, Hoegaarden e Leffe. As marcas premium da InBev atingiram, em 2005, um volume de vendas de cerca de 1,9 milhão de hectolitros. A InBev irá continuar a vender a Labatt e a Brahma nos EUA, mas através de uma rede diferente de distribuição, diz o comunicado.

Os termos do acordo não foram revelados: O executivo-chefe da InBev, Carlos Brito, disse que o acordo é "mais um passo na criação de laços com os consumidores". Garantindo acesso ao sistema de distribuição e vendas da Anheuser-Busch, o acordo irá acelerar o crescimento da participação das marcas premium da empresa no mercado americano, disse Brito. "Essas marcas [da InBev] complementam nosso catálogo de cervejas premium americanas e aumentam a capacidade de competição de nossa empresa", disse o presidente e executivo-chefe da Anheuser-Busch, August Busch 4º. "[O acordo] é consistente com nossa estratégia de aumentar nossa participação no segmento de marcas premium nos EUA."O presidente da InBev USA, Doug Corbett, afirmou que o compromisso da empresa com as marcas da Labatt e com a Brahma. "Essas são grandes marcas com muito potencial e esse acordo nos permite desenvolvê-las em seus próprios segmentos."

Fonte: Folha de São Paulo - Dinheiro - Dezembro/2006

guia fornecedores