Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

Grupo inicia em abril obras da cervejaria, que demandará investimento de R$ 85 milhões. O grupo Coroa, fabricante capixaba de refrigerantes, sucos e água, vai investir R$ 85 milhões na construção de uma cervejaria na cidade de Domingos Martins, região serrana do Espírito Santo (ES). Trata-se da primeira cervejaria do grupo, que ingressará nessa área com a unidade, e também do estado, de acordo com o diretor superintendente do grupo Coroa, Ademar Bragatto. "O Espírito Santo é um dos únicos estados no Brasil que não possui uma fábrica de cerveja", disse o executivo. As obras estão previstas para começar em abril deste ano e a fábrica deve começar a operar no final de 2008, após 18 meses.

Parte dos recursos virá do Fundo de Recuperação Econômica do Estado do Espírito Santo (Funres), administrado pelo Grupo Executivo para Recuperação Econômica do Estado do Espírito Santo (Geres) e operacionalizado pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes). Fundado em 1933 pela família Kautsky, o grupo Coroa associou-se em 2002 com a família Bragatto, quando ganhou fôlego para investir na construção da cervejaria, além de lançar novos sabores e linhas de refrigerantes, embalagem em versão lata, e ingressar no mercado de sucos naturais. A empresa - cujo carro-chefe é o Guaraná Coroa, que possui 28% de participação no mercado regional e é exportado para Estados Unidos, Canadá e Suécia - prevê que a cervejaria gere um faturamento bruto de R$ 80 milhões anuais em uma primeira fase. O grupo Coroa faturou R$ 33 milhões em 2006 e prevê um crescimento de 10% para este ano. A produção inicial será de 200 mil caixas de cerveja por mês. Em uma segunda etapa, alcançará 350 mil caixas mensais.

A capacidade de produção pode alcançar 950 mil hectolitros por ano, o equivalente a 6,5 milhões de caixas. "O projeto foi estruturado de maneira flexível, para que a produção cresça em pequenos saltos, com adição de novas unidades de acordo com a resposta do mercado", disse Bragatto. Serão gerados 530 empregos diretos, dos quais 180 no parque fabril e 350 nas atividades desenvolvidas fora da indústria. A unidade fabricará cervejas pilsen clara e escura, bock, premium, cerveja de trigo e chope claro e escuro. A Coroa - que entrou no segmento de sucos prontos em janeiro deste ano com a marca La Fruit - produzirá também cerveja para eventos, com rótulos diferenciados, podendo ter o teor alcoólico reduzido. "O segmento de bebidas com valor agregado está em franca expansão no Brasil e a Coroa pretende conquistar esse espaço, ampliando seu público e sua participação no mercado", disse. O principal mercado será o Espírito Santo, mas a cerveja será vendida também em Minas Gerais, Bahia e Rio, podendo chegar a São Paulo, Brasília e Salvador.

"Em um segundo momento, pretendemos exportar para o mercado internacional de cervejas especiais", informou Bragatto. A bebida será produzida com água das fontes de água mineral de Domingos Martins, que a Coroa já usa para fabricar a Água Campinho, refrigerantes e sucos. "Domingos Martins é a principal cidade turística da região serrana capixaba, esse é um outro atrativo da construção da cervejaria, o apelo turístico, além da descentralização do desenvolvimento econômico, por ficar fora da região metropolitana da Grande Vitória", destacou Bragatto.

Fonte: Gazeta Mercantil - Indústria - Fevereiro/2007

guia fornecedores